quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Viajar de bicicleta em autonomia total

Vais fazer uma longa viagem de bicicleta em autonomia total e ainda estás indeciso sobre como deverás transportar todas as coisas que irás necessitar ao longo do caminho? Então lê a reportagem abaixo, baseada na nossa experiência e... tira as tuas próprias conclusões.

Que tralha hei-de levar? Como levar a tralha toda? Para quê tanta tralha? 

Alforges versus Trailer versus Mochila

------------------------------------------------- ####### -------------------------------------------------

ALFORGES
Antes de mais, é absolutamente desaconselhável o uso de alforges em bicicletas de carbono, ou mesmo quadros de alumínio ou titânio que possuam montado um espigão de selim em carbono (substituam por um de alumínio). Isto porque os componentes em carbono têm um limite de resistência inferior ao alumínio, ferro ou titânio. Ora, as oscilações e energia empregues pelo ciclista à bicicleta carregada e as sofridas na própria bicicleta pelo peso adicional, são muito elevadas e acima dos limites ditos considerados normais para uma utilização para a qual os quadros foram fabricados e testados.

As únicas bicicletas que vêm preparadas de fábrica para carregar malas e alforges são as bicicletas de trekking, as quais são (por norma) totalmente construídas em alumínio e testadas para esse objetivo.

Apesar de parecer uma escolha rápida e coerente, entre os alforges existem diversos tipos e modelos, mas antes disso é preciso escolher o porta-alforges, que é por onde irei começar.







Vais utilizar uma bicicleta rígida ou de suspensão total? É que para cada uma delas existem porta-alforges distintos!
A título pessoal e porque já utilizei, para as bicicletas de suspensão total aconselho "El Burro", que é um porta-alforges bastante leve (alumínio), com dupla fixação: a principal fixação é na chaveta - especial (vem no kit) - da roda traseira, mas simultâneamente fixado ao espigão de selim. Este último com a versatilidade de acompanhar todos os movimentos oscilantes provocados pelo amortecedor da bicicleta. Nem notamos que existe, de tão bem que funciona. E existem modelos apropriados para cada tamanho de roda (26/27,5 e 29).

Para as bicicletas rígidas existem inúmeras marcas e modelos de porta-alforges. Por exemplo, o da imagem acima é compatível para bicicletas rígidas e também para as de suspensão total, uma vez que a fixação é unicamente no espigão de selim, mas há que ter cuidado com este tipo de porta-alforges, pois não devem carregar muito peso, devido a ter um único ponto de fixação, o qual exige muita resistência ao espigão de selim, já por si submetido à força/peso do próprio ciclista. Neste tipo de porta-alforges aconselho o da marca Topeak, que já usei e mostrou-se bastante fiável, o que não significa que não haja outros tão bons ou melhores! Neste modelo teremos sempre de aprimorar a parte inferior do porta-alforges, por forma a evitar que a parte de baixo dos alforges venham a bater nos raios e roda traseira, passando umas abraçadeiras plásticas ou fitas entre os ferros inferiores laterais do porta-alforges e as escoras superiores do quadro, conforme demonstram as setas na foto.

O tipo de porta-alforges mais conhecido do mercado talvez seja o que descende daqueles que equipavam as velhinhas "pasteleiras", semelhante a este da imagem, só que agora mais sofisticados. Existem muitos e para todos os preços, fáceis de encontrar em grandes superfícies de artigos desportivos, em lojas de bicicletas vocacionadas para a venda de material de viagem ou mesmo na internet. Este género de porta-alforges é bastante resistente e possibilita carregar bastante peso, pois tem 2 pontos de fixação: na chaveta (especial, pois é mais comprida) e na escora superior ou no espigão de selim.

Agora que já arrumámos a questão do porta-alforges, há que escolher (bem) os alforges. Face aos novos tipos de sacos e saquinhos passíveis de serem montados numa bicicleta, hoje em dia podemos optar somente pelos alforges traseiros e/ou dianteiros e/ou traseiros, ou optar por adquirir diversos tipos de compartimentos e "espalhá-los" por toda a bicicleta, já que existem sacos apropriados para cada espaço: selim, entremeio do quadro, guiador, amortecedor, etc... enfim, um infinito número de possibilidades, mas não esquecer que o motor da bicicleta somos nós, por isso, há que ser ponderado a carregar a bike e friso novamente: levar mesmo só o essencial

No caso dos chamados eggs (ovos), que mais não é que uma resistente bolsa que encaixa dentro de uma estrutura metálica fixada ao espigão do selim, testámos (em condições adversas) um modelo de uma marca de referência no mercado e revelou-se péssima escolha. Após alguns quilómetros submetido a vibrações diversas, com peso médio dentro, a estrutura acaba por não resistir e partir, que foi o que nos aconteceu... 2x, e para levar pouca coisa dentro não compensa esta opção perante o peso total. Depois tivemos o consequente problema acrescido de decidir onde transportar o que lá estava dentro e o próprio saco e estrutura.

Para direcionar o assunto, vou-me debruçar somente nos alforges traseiros, que é o mais prático e usual numa btt normal. No meu caso, compenso sempre o acréscimo de peso traseiro montando uma bolsa no guiador e, às vezes, uma outra na parte da frente do quadro, onde levo aqueles artigos que preciso com mais regularidade (baterias/pilhas diversas, carregadores, carteira, telemóvel, ...). Assim distribuo o peso por todo a bicicleta e alivio um pouco a parte traseira. Por vezes ainda distribuo algum peso por uma pequena mochila que carrego às costas.


Em relação ao tipo de alforges a escolher, convém serem impermeáveis à água (ou com capa para chuva) e bastante resistentes. Neste caso não há cá a história do "Bom, Bonito e Barato"! A qualidade paga-se e não convém arriscar, isto para que depois no decorrer da viagem não tenhamos mais um problema para resolver no caso dos alforges romperem ou descoserem, no meio de nenhures. A nível de alforges uma das marcas mais conhecidas é talvez a Ortlieb, que é a nossa marca de eleição pela sua fiabilidade, design distinto e boa capacidade de carga, mas existem outras marcas disponíveis no mercado e hoje em dia temos a facilidade de poder comprar online e mandar vir de qualquer parte do mundo, só temos de começar a fazer a logística com alguns meses de antecedência para correr tudo bem, listando tudo e mantendo-nos sempre organizados, para no dia de começarmos a aventura estarmos descansados e somente seguir a lista.

OPINIÃO AO USO DE ALFORGES:

- É uma boa opção se o tipo de caminhos e trilhos que formos percorrer não forem muito sinuosos, nem técnicos, pois o peso extra dos alforges obriga-nos a um ritmo mais moderado nas descidas para não perdermos o controlo da bicicleta, o que resulta num gasto invariavelmente maior de pastilhas (ou calços) de travão e risco de sobreaquecimento do óleo de travões (ou quebra dos cabos, no caso específico dos v-brakes) e desgaste acrescido dos discos.

- O peso extra na traseira dá-nos mais tração nas subidas é certo, mas o desgaste físico é bem maior e, antes de nos aventurarmos numa grande viagem com alforges, é aconselhável treinarmos algumas vezes para ver como nos sentimos e se nos adaptamos a esta opção.

- Para rolar em alcatrão os alforges são ótimos! Já fora de estrada a história é outra. No segundo caso, ao início e nos primeiros dias parece não custar nada, mas se os sobe e desces forem muitos e o percurso se revelar exigente, depressa percebemos que fizemos uma má escolha, salvo se a nossa condição física estiver acima da média.

- A nível de preços requer um investimento a rondar os 200€ (alforges + porta-alforges), dependendo das marcas e modelos escolhidos.

------------------------------------------------- ####### -------------------------------------------------

BIKE TRAILER / ATRELADO
É muito bonito de ser ver, é engraçado de rebocar/transportar, carrega muiiiito peso e é bastante fiável. Há-os para todos os gostos e para todas as carteiras, mais ou menos radicais e adaptados para diversos tipos de terrenos, conforme a utilização que se pretenda dar-lhe. São maioritariamente vendidos já dotados de sacos próprios, chaveta de roda especial (+ comprida e + resistente) e até uma bandeirinha. O melhor é que são facilmente personalizáveis, onde podemos acrescentar porta-bidons, luzes, etc... mas não sejam brutos a inventar e vão testando a funcionalidade.

Existem bike trailer's (ou atrelados, em bom português) com e sem suspensão. Nós já utilizámos ambas as versões e o dotado de suspensão revela-se mais cómodo e ágil. Neste último, e por ter sido aquele que usámos, o que destacamos é o BoB Ibex, mas o elevado preço faz-nos pensar 2x antes de avançarmos na compra, principalmente se ponderarmos o número de utilizações que lhe iremos dar.

Aos atrelados podemos ainda juntar a opção da extra-wheel, mas como nunca experimentámos, simplesmente não vou abordar este método de transporte de material, apesar de ser bastante idêntico, mas que é um misto entre alforges e trailer, com a mais-valia da roda extra poder ter o mesmo diâmetro das outras 2 da bicicleta que a reboca, mas acaba por ser uma saltitona lá atrás, em trilhos técnicos.

Quando optamos por levar um atrelado, nunca nos devemos esquecer de levar material suplente específico para ele, como seja: 1 pneu, 1 camera de ar (com gel), 1 chaveta, 1 kit de chaves, além de algumas abraçadeiras e um pouco de arame, que nos poderão salvar num aperto. 

Tal como já referi antes, há que ponderar muito bem a lista de artigos que iremos precisar ao longo da viagem, para não (nos) sobrecarregarmos no atrelado. Por norma os atrelados são vendidos já com o respetivo saco (à prova de água e bastante resistente), mas tal nem sempre acontece, por isso, quando comprado à parte, há que analisar muito bem até que ponto o saco é resistente e se efetivamente é à prova de água, porque se romper com facilidade poderá vir a fazer-nos perder carga pelo caminho e num local sem opções de os podermos reparar. Em relação a repassarem água é a mesma situação, porque pode-nos vir a sujar ou molhar mudas de roupa ou outros artigos que não convém apanharem água, mas nesse caso podemos sempre envolver todo o saco com um outro saco de plástico bem resistente, para reforçar.

O atrelado é sempre uma boa opção quando o tipo de terreno não é demasiado técnico, nem tem subidas demasiado íngremes e as distâncias (e quantidade) de etapas a percorrer não sejam demasiadamente extensas. Isto aplica-se aos aventureiros sem aptidões ou treinos especiais. Porque se as distâncias forem, em média grandes, o piso exigente e difícil (tudo o que não seja alcatrão/asfalto) e muitas etapas a percorrer, uma mistura disto tudo ou uma grande percentagem de cada uma destas condições, rapidamente o prazer vai-se tornar em sacrifício.  Nas descidas rápidas e dotadas de curvas, há que ter cuidado, pois o peso extra empurra-nos em frente e dificulta-nos na tarefa de manter uma trajetória regular.

OPINIÃO AO USO DE ATRELADO

- É uma boa opção sempre que o piso seja bom (asfalto ou terreno sem grandes e constantes oscilações), sendo também satisfatório e opção para quem sofre das costas, pois a força empregue afeta maioritariamente os músculos das pernas e tendões dos pés.

- Tal como noutras opções de carga, há que ser sempre ponderado na carga e ter como limite máximo uns 12kg. Não esquecer de levar material específico suplente. O saco do atrelado tem de ser de muito boa qualidade (resistente e à prova de água).

- Podemos colocar luzes, uma bandeira e até bidons com hidratação extra, além de outras ideias. É fácil arrumar toda a tralha no saco largo e comprido, bem distribuídos pelo atrelado, sendo que a maior parte do peso deverá estar mais sobre a parte dianteira (junto ao eixo).

- A aplicação da chaveta especial para encaixe do atrelado não prejudica em nada o normal rolar da roda traseira, nem fragiliza o conjunto, além de que é passível de ser utilizado sem qualquer tipo de problema nem diferenciação, num quadro de alumínio, carbono ou outro tipo de material.

------------------------------------------------- ####### -------------------------------------------------

MOCHILA
Desde que comecei a fazer as minhas primeiras travessias longas, sempre coloquei de lado esta opção, não por ter problemas de costas, mas porque me parecia transmitir um sofrimento acrescido para o ciclista porque é carregado diretamente no nosso corpo, além do mais não denota poder levar grande quantidade de coisas. 

Tal como escreveu Fernando Pessoa num slogan publicitário à Coca Cola: "Primeiro estranha-se. Depois entranha-se." Comigo deu-se o mesmo em relação ao uso da mochila de grandes dimensões enquanto forma de transportar os meus haveres em grandes viagens de bicicleta. Demorei anos para experimentar esta opção, mas depois de ter usado atrelados e alforges em situações anteriores, tinha mesmo de testar uma mochila, até porque tinha más memórias de alguns episódios em que me vi em apertos com as restantes opções.

 
Tal como nas restantes opções, o mais importante é fazermos sempre uma escolha filtrada (diversas vezes) do material a transportar. Dependendo da marca e modelo de mochila utilizada, por norma têm sempre muitos compartimentos e de diversas dimensões, que nos ajudam a melhor repartir cada item que carregarmos.

Maioritariamente as mochilas vêm dotadas de uma capa para proteger da chuva, além de possuírem na zona das costas uma proteção e afastamento de forma a permitir a circulação de ar e evitar calor excessivo. As alças são também, por norma, dotadas de um reforço e zona mais macias a fim de minimizar o peso direto nos ombros, além de um aperto para a cintura, o que permite transportar a mochila bem junto do corpo e anular todas as oscilações. Deste modo e sempre que necessário, facilmente nos movimentamos, seja a pé ou a pedalar. Permite-nos carregar até um máximo aconselhável de 8,5kg, dependendo da capacidade do modelo escolhido.

  
A adaptação ao desconforto inicial do peso extra nas costas desaparece ao fim de pouco tempo, principalmente se tivermos o cuidado de ajustar todas as alças, mesmo que a carga seja pesada. Existem mochilas acessíveis a todas as carteiras e quase todas as marcas apresentam modelos minimamente confortáveis e robustos, distinguindo-se pela quantidade de compartimentos e outros extras disponíveis. 

OPINIÃO AO USO DA MOCHILA

- Para quem tem problemas de costas não é definitivamente a melhor opção.

- Carrega o indispensável para viagens longas ou curtas, de muitos ou poucos dias, podendo transportar até 10kg, o que já é um abuso.

- A existência de diversos compartimentos e por estar facilmente acessível a qualquer momento, é uma mais-valia, pois fica tudo arrumadinho e à mão.

- É extremamente útil quando nos deparamos com trilhos bastante técnicos, tornando mais fácil a progressão. Nas subidas também não é tão ruim quanto aparenta, devido ao conforto proporcionado.

- Não tem o problema de avariar ou precisar de reparações de maior e ainda serve de encosto ou almofada sempre que paramos para descansar.

- É uma opção bastante fiável em todos os aspetos, principalmente a nível económico e que nos ajuda a decidir mais facilmente que itens devemos levar connosco.

------------------------------------------------- ####### -------------------------------------------------



OPINIÃO FINAL

- Antes de fazermos a tal viagem, há que fazer um levantamento do tipo de terreno que iremos apanhar pela frente. Se for de progressão fácil, bom piso, sem exigir muita técnica, então os alforges são a opção certa, mas o trailer/atrelado também o é. Se o percurso for exigente ou desconhecermos o que vamos encontrar, então o melhor será mesmo optar pela mochila.


Uma vez que a mochila é, pela maioria de nós, o melhor método para transportar os nossos pertences, deixo abaixo algumas opiniões relativamente a marcas e modelos de mochilas por nós já usadas.


Ver e analisar o uso destas mochilas em atividade
Dêem uma vista de olhos no nosso blogue, nas reportagens onde até ao momento já usámos/testámos este tipo de material em viagens em autonomia total:
Texto e fotos: João Valério

domingo, 12 de fevereiro de 2017

9.º Aniversário do Clube de BTT Zona 55



Data: 04 e 05 de Fevereiro de 2017

Depois de um ano de muitos passeios e aventuras a pedalar, uns mais outros menos, chegámos ao nosso 9.º Aniversário, tendo sido escolhido este ano, como local para comemorarmos esta data, a zona litoral, no Hotel Jardins da Ria, em Torrreira - Aveiro.

À semelhança do que já nos habituámos, resolvemos aproveitar um fim de semana de convívio familiar, tendo como dia principal o Domingo.

A maioria dos nossos sócios, deslocaram-se no sábado para a Torreira, tendo uns ido directamente para a zona de Aveiro e outros aproveitando o passeio pela costa litoral, passando por várias praias, e fazendo um esplêndido pic-nic, tendo como imagem de fundo muita chuva.
Figueira da Foz - Serra da Boa Viagem

Miradouro do Cabo Mondego

Praia de Mira

Almoço Buffet, com ar condicionado



Pelas 16H00, chegámos à praia da Barra, onde podíamos avistar a península de S. Jacinto, mas ainda a 40 km, pois tínhamos de dar a volta por terra.

Ainda bem que não trouxemos os cães!!!

Um grandioso farol, à imagem do nosso Clube (grandioso).
Chegada ao Hotel dos restantes sócios, pois os que tinham vindo directamente para aquele local hoteleiro, já se encontravam equipados para aproveitar a zona desportiva, piscina e outras actividades.


 

O Sr.º presidente, J. Valério, deslocou-se à recepção, onde recebeu os seus sócios, dando-lhes as boas vindas, perfazendo assim 26 pessoas, ali a pernoitar.

Pelas 17H00, o J. Gonçalves, R, Almeida, C. António e A. Bernardo, foram fazer o reconhecimento da zona, para assim prepararem o passeio de Domingo.
O C. António, tropeçou e enrolou este exemplar de 3 kg, na roda de trás da sua bike (com a  sua bike nova, até peixe apanha)
A maioria dos sócios fizeram o jantar de sábado na casa do J. Gonçalves (apartamento) onde se juntaram 16 pessoas

Após o jantar, juntámo-nos todos na sala de refeições do hotel, onde nos divertimos, ao som de um conjunto musical que ali actuava


Ali permanecemos até à meia noite, hora em que fomos descansar
DOMINGO - dia do festejo do aniversário
Hora de levantar cedo, para um excelente pequeno almoço




O passeio habitual de BTT, começou no hotel, pelas 09H00, com destino a S. Jacinto 

Elementos presentes no passeio de BTT: C. António, S. Nabiça, J. Valério, A. Bernardo, D. Gonçalves, J. Gonçalves e R. Almeida.


Cais de S. Jacinto

Praia de S. Jacinto



O sócio J. Guerra, optou por fazer uma corrida matinal junto à praia, visitando os barcos em Torreira.


O P. Silva, que optou por não pedalar, mas assistiu a equipa e efectuou a reportagem fotográfica.
 Domingo - Almoço
O almoço do 9.º aniversário do Clube de BTT Zona 55, foi celebrado no restaurante do hotel, num excelente buffet, onde estiveram presentes todos os elementos que ali se encontravam desde sábado, bem como os outros que ali se deslocaram no domingo, totalizando 35 pessoas.


















 Após a refeição, deslocámonos para uma outra sala, onde o nosso presidente J. Valério, em nome de toda a direcção, agradeceu a presença deste grupo de amigos, em mais um aniversário.


Bolo de Aniversário
 Após termos cantado os parabéns, foi servido o bolo e o respectivo champanhe.










No decorrer do nosso aniversário, também participámos na comemoração do aniversário do Sr.º Joaquim, que ali comemorava com a sua família, as suas 91 primaveras.

O nosso Sérgio Bernardo presenteou o Sr.º Joaquim, e em nome do Clube de BTT Zona 55, homenageou-o tocando os parabéns ao piano, acompanhado do seu bisneto.


Video dos parabéns


Passeio pelo jardim do hotel para fazer a digestão e pôr a conversa em dia



 FOTO DE GRUPO

Estiveram presentes no 9.º Aniversário do Clube de BTT Zona 55

(Esq.ª / Dirª) - Joãozinho, Gonçalo, Rita, Miguel, J. Pedro, Mafalda, J. Gonçalves, Hugo, Pedro, J. Guerra, Cristina, J. Valério, Sofia, David, Fátima, ?, Cláudia, C. Lopes, Diogo, Sr.º Francisco (aniversariante), José Guedes, M. João, Abílio, Matilde, Inês, Samuel, Raquel, Cristina, N. Santos, Carolina, Catarina, P. Silva, R. Almeida, Ana, C. António, Sandra, Sérgio. 

Texto: Rui Almeida
Fotografia: Rui Almeida e Pedro Silva

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...