domingo, 8 de março de 2015

9.º Passeio Doméstico BTT (Torres Novas)

Após já muitas vezes falado, mas não passando disso, vários sócios comentaram a vontade de voltarmos a organizar os passeios domésticos da Zona 55, que deixamos de fazer em 2010, onde nos deslocaríamos às zonas de residência dos nossos sócios.

Assim voltámos aos Passeios Domésticos, ficando o 9.º Passeio a cargo do nosso sócio José Luís Rosa, sendo o passeio pela reserva do Boquilobo, e o almoço na Barreira Alva - Torres Novas.

Sócios presentes
José Luís, Nuno Santos, Rui Almeida, Ana Almeida, Hugo Almeida, Carlos António, Abílio Bernardo, Sérgio Bernardo, José Santos, Pedro Silva, Sérgio Vicente, Paula, Carlos Moita, João Guerra, Miguel Guerra


Também nos acompanharam no nosso 9.º Passeios Doméstico outros amigos do Pedal, entre eles os Kotas do Pedal, a quem aqui deixo os nossos agradecimentos pelo video publicado, do nosso evento.



Neste evento foram convidados para o almoço vários amigos e os nossos familiares.

A concentração e a partida deu-se pelas 09H00, na localidade da Barreira Alva, com 21 atletas a pedalar em direcção à reserva do Paúl do Boquilobo, perfazendo no regresso cerca de 32 km.



Passagem pela zona de lavagem de bikes (o Zé tratou tudo ao pormenor).
 


O nosso sócio mais novo a participar (Miguel), a fazer um teste drive a esta Scott.
Foto de grupo - todos os bttistas e o staff de apoio.




Abastecimento 

Já no Paúl, na cabana dos caçadores, encontrava-se o nosso apoio logístico (Frade e João Paulo).

Grelhadores operacionais, bifanas a sair, sumos e vinho verde.
Carlos Moita a recuperar as forças, para atacar uma nova etapa: as bifanas.
Grande convívio entre os atletas, a reporem as energias para a etapa de regresso.
 

A segunda parte do percurso um pouco mais dura, para os menos preparados.


O Zé Santos quase que tinha um acidente, pois ia atropelando mortalmente uma pequena cobra.
O Zé Luís não conseguiu evitar matar o bicho... já não se pode dizer o mesmo destes dois gulosos, (Pedro Silva e Carlos António), que mataram o porquinho.
A terceira parte foi a mais desejada, já com mais amigos, todos a saborear uma sopa de pedra, seguida de porco no espeto, fruta, doces e café.
 






O Zé Luís e a Ana, nossos anfitriões, presentearam-nos a todos com dois bolos - um alusivo ao Dia da Mulher, às quais prestámos a nossa homenagem cantando os parabéns e o outro, a todos os amigos do nosso Clube.
Os bolos foram servidos pelo Presidente do Concelho Fiscal (Zé Santos), pelo Presidente da Assembleia Geral (Pedro Silva) e pelo tesoureiro, da Direção (Rui Almeida).
 



Assim voltámos em grande aos nossos passeios domésticos, comemorando também o dia da Mulher, juntando muitos amigos e passando um belo dia de Domingo.

MAIS FOTOS: Clique aqui

VIDEO: Kotas do Pedal


VIDEO: Zona 55 Bike Team



Créditos à reportagem
Organização: Zé Luís Rosa
Texto: Rui Almeida
Fotos: Rui Almeida / Pedro Silva / Carlos António
Video: Kotas do Pedal / Zona 55.

Participação da equipa (Barcelos)

Representação a cargo de:
45km (distância única) - João Valério

Pela primeira vez participei num evento em Barcelos, a meros 300km da minha casa. Sempre pensei que quando acontecesse seria nos 5 Cumes, também organizado pelos Amigos da Montanha, mas por questões de disponibilidade calhou o Trilho dos Moinhos, pelo que confirmei a minha inscrição logo no início deste ano de 2015.


Por apenas 8€, os inscritos tiveram a diversas lembranças, além de 2 senhas para 1 bifana + 1 bebida, seguro de prova e banhos quentes no pavilhão desportivo. O espaço para estacionar foi apropriado pelas suas grandes dimensões onde, mesmo com a Esquadra da P.S.P. ali ao lado, fui cravado por um arrumador.

 O ambiente envolvente foi fenomenal, com muito público e bastante animação. Um speaker foi debitando informações diversas enquanto os participantes iam preenchendo a linha de partida. Quanto a mim posso dizer que fiquei nos últimos 20 metros da cauda do pelotão.

Segundo as informações veiculadas, estiveram presentes mais de 1300 participantes para cumprir os 45km de distância única. A manga de partida tinha uns 100 metros de extensão e localizou-se na Avenida da Liberdade, em Barcelos.

A partida foi dada à hora marcada, quando o relógio marcava as 09h30. Eu só tive oportunidade de começar a pedalar no interior do gigantesco pelotão cerca de 4 a 5 minutos após os primeiros participantes terem arrancado, tal foi o enxame de bttistas.


Os primeiros quilómetros foram para aquecer, primeiro em asfalto e depois em paralelo, quase sempre em patamar e no meio de centenas de ciclistas. Veio-me de imediato à memória algumas ruas e trilhos que já havia percorrido há 5 anos atrás, quando fiz o Caminho de Santiago entre Póvoa do Varzim e Santiago de Compostela, que confirmei pelas inúmeras setas amarelas que nunca passam despercebidas a um peregrino, como é o meu caso. 

 Também quase desde início comecei a ver inúmeros participantes encostados devido a avarias.



As passagens em zonas mais estreitas, por motivo de sermos muitos, foram sempre muito demoradas, pois bastava alguém lá na frente parar ou mesmo travar um pouco, para que cá atrás se notasse de imediato com alguns minutos de paragem para avançar.


Tivemos diversas passagens por zonas alagadas, mas fáceis de transpor, só era preciso calma para não nos pisarmos uns aos outros. 


Tivemos diversas e bonitas passagens por zonas de vinhas. O São Pedro foi nosso amigo e proporcionou-nos um dia de sol bastante agradável, com uma temperatura amena, bastante propícia à prática do btt.

As marcações ao longo de todo o percurso estiveram irrepreensíveis, com fitas, setas, pó e muita, mas mesmo muita gente do staff e autoridades a dar uma ajuda preciosa em diversos locais.


O percurso não me pareceu exigente, fosse a nível técnico ou físico, porém a enorme quantidade de participantes nos trilhos não permitia grandes andamentos. No meu caso cheguei a rodar diversas vezes acima dos 25km/h, mas sempre por pouco tempo porque repentinamente encontrava uma barreira de bttistas pela frente, o que resultou numa média final inferior a 12km/h. 


 Encontrei diversos singles de qualidade superior, onde deu verdadeiro prazer largar travões, quase sempre rodeado de belíssimas paisagens.


A minha presença a solo em representação da equipa Zona 55 deu-me oportunidade de escolher o meu próprio ritmo e, como foi igualmente a primeira vez que estávamos representados, não perdi a oportunidade de filmar este evento, tendo para tal transportado comigo 2 cameras GoPro, tendo montado uma virada para trás no espigão do selim e outra virada para a frente num suporte com avanço que aprovei para estrear em Barcelos. 


As zonas onde nos levou o trilho foram predominantemente de pinhal, mas também por algumas povoações, com passagens por caminhos de acesso a cultivos e propriedades privadas, bem como, estradões.  




Em todo o percurso foram raras as vezes que pedalei sozinho, ou seja, com participantes a menos de 50 metros de mim. Foi uma autêntica loucura ver tanta gente a desfrutar dos trilhos e adeptos de btt. Fiquei positivamente arrasado com a popularidade desta Organização e com a sua competência organizadora. São de factos verdadeiros profissionais, em cujo evento pude atestar a larga experiência que já possuem.


Ao longo do percurso só dei pela existência de um posto de controlo, que não exigiu a minha paragem, pois o meu dorsal, tal como os dos outros participantes, continha um chip descartável que permitia a leitura através de um sistema eletrónico existente no percurso.



Independentemente do km a que estava a rodar, fosse no meio de um pelotão ou a rolar mais ou menos sozinho, cerca de 20 em 20 minutos lá era obrigado a parar devido a um mar de participantes no trilho a aguardarem vez para avançar. 



 Ao longo de todo o percurso também vi bastantes fotógrafos a cobrir o evento e até achei estranho não ver o fotógrafo meu amigo Paulo Ministro, que sendo deste concelho não marcou presença,


Vi também inúmeros participantes munidos de cameras de ação, porém, conforme já vem sendo hábito, a grande maioria deles opta por nunca vir a publicar essas filmagens! É que não basta ter uma boa máquina, é também preciso saber como e onde montar a camera, aproveitar a bateria (e/ou levar suplente, como eu), ter um bom programa de edição de imagem e perder algum tempo a trabalhá-lo e alguma vontade para depois partilhar com os restantes participantes.  


 Uma outra paragem forçada no andamento foi a aproximação a uma zona cujo percurso nos levou a passar numa ponte construída para o efeito, sobre uma pequena ribeira, com alguma inclinação.


Depois de estar sobre a ponte, o ritmo de andamento era de novo retomado porque a zona exigia passagens em fila única.


 Local muito bonito, este, onde pudemos ver bonitas quedas de água em cascata.


Esta parte final estava já tão cheia de regos que o mais consciente era desmontar, a fim de evitar quedas desnecessárias.


Aproveitei para captar algumas imagens em filme, neste local onde se encontravam diversos fotógrafos.


Poucas centenas de metros adiante, uma outra passagem na mesma ribeira, agora sobre paletes face à zona ser mais plana e com menor corrente.  


As passagens em zonas de cultivo foram das que mais gostei, pela qualidade dos trilhos e beleza envolvente.




A nível de zonas de abastecimento (sólido + líquido) só dei por esta, que era impossível passar despercebida, tal era a quantidade e extensão de tendas montadas, com diversas bandeiras e muito staff, além das dezenas de bicicletas espalhadas pelo extenso campo defronte, onde apesar de tudo não vi a passagem ficar obstruída aqueles que optaram por não parar.


As ofertas nesta zona de abastecimento era variadíssima. Desde as tradicionais bananas e laranjas (já cortadas), bolas de berlim com muuuiiiiiito creme, sandes, águas, sumos...



Após uma paragem de cerca de 5 minutos no abastecimento voltei ao trilho com o estômago já mais aconchegado. As filas continuavam, mas agora mais fluídas. Novas passagens por florestas, agora com os eucaliptos a substituir os pinheiros.


A aproximação e chegada de volta a Barcelos foi quase sempre por terra batida, até a escassas centenas de metros da zona de meta, onde o trânsito rodoviário continuava barrado, conforme seria exigível.


No final da reta da meta encontrava-se o leitor óptico e também umas meninas com saquinhos contendo papelinhos, que eram colocados à escolha dos participantes finalizadores com o objetivo de sortear lembranças.


A cerimónia de entrega de prémios ocorreu cerca das 15h00, quando a maioria dos participantes já haviam chegado, com muita gente a assistir e envolta em grande animação.


Após a fila para o banho, já depois de lavada a bike onde apesar de espaço e mangueiras disponíveis faltou ter pressão suficiente, a derradeira fila que experimentei foi a de acesso à bifana e bebida incluída na inscrição, mas entre todas as que estive ao longo do percurso, considerei esta a mais rápida.


Não pudemos deixar de tirar umas fotos junto do símbolo tradicional da cidade e tão português Galo de Barcelos, tão popular em Portugal e no estrangeiro. 

Após uma voltinha pelo centro de Barcelos para esticar as pernas, apesar da Sofia ter participado na caminhada de 8km proporcionada pela Organização, ainda tivemos o prazer de assistir à atuação do Grupo de Cantares e Dançares de Barcelos e ainda visitámos a feira que estava localizada no jardim onde estava estacionada a nossa furgoneta. Conto voltar numa próxima oportunidade. Fiquei fã!


0001.º - 01:46:13:841 - José Dias (Seissa/MGB Store/Matias & Araújo/Frulact/ACR Roriz)
0002.º - 01:46:14:229 - José Rodrigues (UCVNF/Soniturismo/Bike World)
0003.º - 01:46:14:933 - Jacinto Fiúza (Batotas/Ponte de Lima)
0728.º - 03:29:56:672 - João Valério (Zona 55 Bike Team)
1153.º - 05:11:44:826 - Último


Captado com 2 cameras GoPro (guiador: Hero 3+ Black / espigão selim: Hero2)


Créditos à reportagem
Texto: João Valério, Bruno Pereira, Eduardo Dourado, Ivo Monteiro, J. C. Araújo, Amigos da Montanha
Fotos: João Valério
Vídeo: Zona 55

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...