domingo, 13 de março de 2016

Participação da equipa (Póvoa de Lanhoso)

Representação a cargo de:
40km - João Valério

Depois de, no dia anterior, ter participado em Lousada na 2.ª Etapa do GPS Epic Series - Rotas Gourmet, voltei à estrada e viajei até Frades (Póvoa de Lanhoso), onde fiquei principescamente instalado na Casa de Requeixo, alojamento que desde já aconselho vivamente pela simpatia do proprietário, localização e espaços envolventes. Continuando... ao final do dia e para não se constipar, levei a minha bike para dormir na sala de estar centenária e foi quando lhe prestava alguns carinhos (limpeza) que me apercebi de uma enorme folga no pedaleiro. Como não levei caixa de ferramentas, nada mais me restou do que esperar pelo dia seguinte e ter fé para que houvesse uma loja de bikes colaboradora do evento na zona de partida ou ao longo do percurso para me ajudar, senão teria de arriscar.

 
Mas foi com enorme satisfação que ao chegar ao secretariado tive a ajuda de um elemento do staff, ao qual agradeço, bem como um agradecimento especial à loja First Bike (Braga) pela ajuda mecânica. Já na linha de partida, no centro da Póvoa de Lanhoso, a rua foi curta e estreita para receber tantos bttistas, vindo essencialmente da zona norte do país, ainda assim, vi algumas caras familiares. A partida foi dada com algum atraso, uns 15 a 20 minutos, por certo!


Finalmente e após alguns anos a ver/ler reportagens na Bike Magazine da participação do Pedro neste evento, as maravilhosas paisagens deixaram-me com grande vontade de ir ali, e não me arrependi nada, pois apesar das esperadas subidas, não foi assim tão duro quanto eu esperava. Logo desde início o maranhal de participantes era tal que cheguei mesmo a ter de subir com a bicla à mão.

 
 
Alguns dos quilómetros foram feitos em zona de serra, mas sempre com paisagem, trilhos e piso diversificados, para não criar tédio... terra batida, asfalto, rocha, havia para todos os gostos.

 
 
A maior subida do dia foi nos quilómetros iniciais, onde foi subir, subir, subir... tendo posto a avózinha muitas das vezes, mas o melhor foi depois, com uma brutalíssima e extensa descida técnica, onde quem tinha unhas é que tocava viola.



 
O percurso escolhido deste 11.º passeio foi bastante atrativo e divertido. O S. Pedro também ajudou à festa, brindando-nos com um fenomenal dia de sol e, a temperatura, foi a ideal.

 
Não foram raras as vezes que tivemos o prazer de travessar pontos e linhas de água, quase sempre sem ter de molhar os pés. As marcações no terreno estiveram num nível absolutamente fantástico. Percorri muitos quilómetros sozinho e nunca tive qualquer dificuldade em seguir o caminho certo. Apesar da Organização ter disponibilizado o track, esqueci-me do gps no hotel e lá me fui safando a perguntar a outros participantes dados do percurso.


Infelizmente fotógrafos não abundavam, mas que os havia, lá isso havia, o problema foi para fazer esta reportagem ter depois de encontrar onde estavam publicadas, por isso lá recorri a recortes das minhas filmagens na GoPro, companheira de aventura mais uma vez.

 
 
Pessoal do staff encontrei com alguma frequência. Ambulâncias e bombeiros nos locais certos. Autoridades a dar também uma ajudinha e, todos juntos, fizeram um ótimo trabalho em favor da Organização. 


Sensivelmente a meio do percurso encontrámos uma zona de abastecimento onde nada faltava, parecia um casamento género picnic. Pessoal simpático, muita diversidade, com tudo saboroso, o pessoal lá se foi aviando, ainda para mais num local muito bonito, nas margens de um rio e tudo verdinho ali ao redor.

 
 
 
De regresso ao passeio, fizemos uns quantos quilómetros sempre junto às margens do rio, que para mim foram os quilómetros mais bonitos de todo o percurso, com bastantes zonas técnicas e outras até a obrigar passar com a bicicleta às costas.



Nos últimos quilómetros, eu já com o motor meio afogado, ainda tivemos algumas surpresas desagradáveis ao nos depararmos com diversas subidas longas e penosas, valeu-nos o último abastecimento onde o prato-forte era a bifana acompanhada por cola. Já nem apetecia muito continuar, mas o destino chamava.
 
 

 Os derradeiros quilómetros levaram-nos de novo a diversos singles e a passagens pelo interior de aldeias típicas e campos e vinhedos e calçadas soberbas. Que loucura de emoções esta Organização proporcionou aos quase 450 participantes!

Como se tratou de um passeio, não foram tirados, por isso não há comparações a fazer. O almoço foi servido numa escola, com todas as condições possíveis e imaginárias. A sopa estava boa e o esparguete à bolonhesa deixou-se comer, imperial foi à vontade do freguês, mas as laranjas estavam divinais.

ÁLBUNS FOTOGRÁFICOS
Organização (BTT Maria da Fonte) - José A.
Organização (BTT Maria da Fonte) - Canau

Após o almocinho bem merecido, ainda estavam participantes a cortar a linha de chegada. O pior foi sair de Póvoa de Lanhoso para me fazer de novo à estrada para mais de 300km de viagem, pois as ruas estavam quase todas cortadas devido a um desfile alegórico tradicional por aquelas bandas, mas depois de 45min. o meu Meo Drive lá me consegui tirar dali, com uma ajuda minha, pois tá claro!

Créditos à reportagem
Texto: João Valério
Fotos: Organização, Sofia Lopes, João Valério
Vídeo: Brevemente disponível...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...